Skip to content

É possível a penhora de valores do salário?

A não detenção de contas salariais tem sido um tema notório, que visa proteger a dignidade dos credores e evitar que os seus rendimentos do trabalho sejam apreendidos ou congelados. No entanto, após a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em tomar medidas, os salários podem ser retidos mesmo em determinadas circunstâncias.

Esta medida visa promover a recuperação de crédito por meio de penhor parcial dos salários dos devedores.

Neste artigo discutiremos o que é a apreensão de salários e qual a diferença entre ela e o bloqueio de valor, como funcionam as apreensões de salários para pagar dívidas não alimentares e como funcionam as apreensões de salário.

O congelamento de contas salariais e como advogado profissional em recuperação de crédito podem ajudá-lo em caso de apreensão e congelamento de contas salariais. Quer aprender mais sobre este tópico? Venha conosco!

Diferença entre penhora e bloqueio de valores?

Geralmente, a Lei de Processo Civil proíbe explicitamente a apreensão ou congelamento de salários. Isso ocorre porque os salários e as pensões são abonos de alimentação, necessários para a sobrevivência individual. Desta forma, o subsídio de alimentação é protegido pelo nosso sistema legal. Por isso, a preservação dos salários é para não prejudicar a dívida, pois visa manter a dignidade do indivíduo e o mínimo de justiça de sobrevivência.

No entanto, é importante lembrar que existe uma diferença entre reter um salário e bloqueá-lo.

Em suma, no congelamento, o montante fica na mesma conta do devedor, mas o montante congelado é “fixo” e não pode ser utilizado. Na penhora, há a expropriação efetiva dos bens do devedor, que se somam ao âmbito de seus bens. Transferir para conta judicial.

Em outras palavras, as apreensões de salários visam obter esses recursos do devedor para solucionar o problema da dívida.

A penhora de salário para pagamento de dívida não alimentar?

Conforme mencionado acima, antes do parecer do STJ, salários adicionais geralmente não são permitidos. Embora os salários não sejam dedutíveis, a ferramenta é permitida com algumas ressalvas.

De acordo com o entendimento recente do tribunal, “as regras gerais de não detenção de ordenados, salários, rendimentos, etc., (CPC / 73, artigo 649, parágrafo 4º; CPC / 2015, artigo 833, parágrafo 4º), se o devedor e A porcentagem de tais fundos para a dignidade de seus familiares é retida e pode ser dispensada. “

As decisões geralmente são tomadas para devedores com renda acima da média e nenhum outro ativo. O limite adotado pelos magistrados é de 30% do salário. Nestes casos, o empregador deduzirá o valor de acordo com a ordem judicial e depositará na conta do credor para resgatá-lo posteriormente. Na decisão, a penhora foi autorizada até o limite do débito.

No entanto, as medidas de apreensão só são tomadas em circunstâncias especiais, ou seja, já se esgotou a exigência dos demais itens elencados no art. 835 da Lei Penal, como moeda, imóveis e automóveis. E quando o pagamento do salário mensal é apurado através do imposto de renda.

Ou seja, a apreensão só deve ser realizada quando o valor penhorado não for suficiente para impedir a vida do infrator e de sua família.

Esta possibilidade surge com a revisão da nova lei de processo civil, que no seu artigo 833.º dá à questão da não penhora um tratamento diferente do que o artigo 649.º do antigo código. O que antes era considerado “absolutamente não apreendido” nas novas regras agora é “não capturável”, de modo que essa nova interpretação é permitida para tornar viável o acréscimo da exceção acima.

Figura 2: Saco cheio de dinheiro

Bloqueio da conta

Atendendo ao caráter obstrutivo do congelamento de contas, o congelamento de contas salariais é expressamente proibido porque impedirá totalmente o devedor de ganhar a vida.

No entanto, contas salariais não devem ser confundidas com contas bancárias, porque a primeira é uma conta aberta por um empregador cujo único objetivo é pagar a remuneração dos trabalhadores. Em outras palavras, esse tipo de conta só pode receber dinheiro do empregador.

Além disso, o banco nunca pode congelar as contas dos trabalhadores. No entanto, o tribunal pode congelar as contas à ordem. Se o salário do devedor for depositado na conta à ordem em vez da folha de pagamento, isso afetará diretamente o devedor.

Um advogado especialista: Como pode ajudar?

Quando o tribunal ordena o bloqueio, o melhor a fazer é dirimir suas dúvidas com um advogado especializado em recuperação de crédito para que o profissional possa analisar o caso e reverter o processo em andamento.

Quando o banco ordena o congelamento, o advogado pode não só solicitar o congelamento da conta, mas também reclamar o inconveniente causado.

Quando se trata de retenção de salários na fonte, é necessário dirimir suas dúvidas com o profissional para que ele avalie se o valor da hipoteca prejudicará a subsistência do devedor, a fim de determinar um percentual menor em caso de sinistro.

No que diz respeito aos credores, quando não conseguem encontrar outros ativos que possam ser penhorados, os advogados de crédito podem solicitar a apreensão de uma certa porcentagem dos salários do inadimplente para garantir o reembolso das dívidas e evitar perdas dos credores.

Gostou do artigo? Comente, Recomende e Compartilhe.

Dr. Adriano Hermida Maia (LinkedIn)

Advogado e sócio do escritório Hermida Maia, Docente, especialista em Crimes Digitais, Pós-Graduado em Processo Civil, Direito do Trabalho e Processo do Trabalho, MBA em Contabilidade & Direito Tributário com ênfase em risco fiscal.

Visite nosso site: https://hermidamaia.adv.br

Comentários