Skip to content

A importância de um modelo de negócios para sua Startup

A Startup é uma empresa jovem com um modelo de negócios repetível e escalável, em um cenário de incertezas e soluções a serem desenvolvidas. Embora não se limite aos negócios digitais, as startups precisam inovar para não serem vistas como empresas modelo tradicional.

Na verdade, empreendedorismo está na moda, e empreendedorismo se tornou o sonho de muita gente no Brasil e no exterior. Um erro comum que permeia a definição de startups é se elas são apenas empresas de Internet. Não necessariamente, apenas aparecem na Internet com mais frequência, porque, por exemplo, é mais barato e mais fácil disseminar criar uma empresa online do que criar um negócio agrícola.

Há muito espaço para discussão e explicação sobre o verdadeiro significado do empreendedorismo. Muitas pessoas dizem que qualquer pequena empresa em seu período inicial pode ser considerada uma empresa iniciante. Outros acreditam que uma startup é uma empresa com custos de manutenção muito baixos, mas capaz de crescer rapidamente e de gerar maiores lucros. Se quebrarmos a palavra e começarmos algo, todo negócio um dia se tornará uma startup?

A resposta é não! Este tipo de negócio possui algumas características definidoras que não incluem o negócio tradicional. São eles: modelos de negócios inovadores, repetíveis e escaláveis e cenários incertos.

Características das startups

O que é um modelo de negócios? É um negócio escalonável e reproduzível? O que pode ser considerado uma situação incerta? Esses são os elementos básicos das startups e também são tópicos recorrentes no ecossistema. No entanto, para quem não está familiarizado com a mídia, eles não são óbvios. Para evitar qualquer dúvida, explicaremos em detalhes:

Modelo de negócios

Em primeiro lugar, os modelos de negócios são diferentes dos planos de negócios, que se concentram em estratégias detalhadas para atingir metas, por exemplo. Em um modelo de negócio, o foco não está necessariamente no produto, mas no valor, para focar na rentabilidade. Em outras palavras, como sua empresa resolve o problema do cliente de maneira lucrativa.

Normalmente, o desafio de um modelo de negócios empreendedor é criar algo inovador: adaptar o modelo de negócios a um campo que não é comumente usado ou criar um modelo totalmente novo.

Repetível e escalonável

Esses dois fatores são muito importantes para as startups, porque sem eles as empresas provavelmente se tornarão insustentáveis. Quem trabalha com startups nunca sabe o que o amanhã trará: afinal, a empresa tem recursos para se sustentar? Esta é uma questão crucial para este negócio. Um produto reproduzível e escalonável tem muitas vantagens, pois espera-se que atraia um grande número de clientes e gere lucros rapidamente!

A repetibilidade de um negócio significa que ele pode entregar o mesmo produto em uma escala potencialmente ilimitada. Portanto, muitas customizações ou adaptações não são viáveis porque o objetivo é multiplicar. Escalabilidade significa crescimento contínuo sem afetar o modelo de negócios. Portanto, um modelo de negócios expansível e reproduzível adequado para o mercado provavelmente se tornará uma empresa startup de sucesso.

Cenário de incerteza

A criação de uma empresa iniciante é um afastamento da tradição. Por buscar ser disruptivo, as startups têm poucos manuais sobre como ter sucesso. Não há como dizer se as ideias ou projetos da empresa vão realmente decolar. Portanto, o caminho a ser percorrido e os passos que o empresário deve tomar são as incertezas mínimas.

É justamente por esse ambiente, que repetidas ocorrências antes que o modelo de negócio seja claramente definido, tanto se tem falado sobre o investimento em startups. Sem capital de risco, é difícil insistir em encontrar um modelo de negócios que comece a ganhar dinheiro e se sustente. Idealmente, o negócio sobreviverá até que se prove a existência do modelo e sua receita realmente comece a crescer. Caso contrário, essa startup pode precisar fazer uma nova rodada de investimentos para se tornar uma empresa sustentável.

Uma maneira de lidar melhor com essa incerteza é o produto mínimo viável, também conhecido como MVP. Tem como objetivo validar a solução e ajudar a entender o que o cliente realmente deseja, gastando o mínimo de dinheiro possível.

Qual é a origem do termo startup?

O uso do termo começou durante a crise da Internet entre 1996 e 2001. Na época, formou-se uma bolha especulativa, caracterizada pelo aumento das ações de novas empresas de tecnologia da informação e comunicação alocadas no setor de Internet. Como todos sabemos, a bolha da Internet adotou e passou a usar o termo “startup”, antes só significava que um grupo de pessoas trabalhava por ideias diferentes e tinha potencial para ganhar dinheiro. Além disso, na etimologia, startup sempre foi sinônimo de iniciar algo e colocá-lo em operação.

Tipos de startups

As empresas startup podem ser divididas de várias maneiras, principalmente entre os tipos de negócios ou segmentos de mercado em que atuam. Em relação aos tipos de negócios, dois tipos se destacam:

B2B (Business-to-Business): Em português, business-to-business, esse tipo de startup atende outras empresas ao invés de atender diretamente o consumidor final.

B2C (Business to Consumer): Em português, para prestar serviços aos consumidores, esta startup fornece serviços aos consumidores finais.

B2B2C (business-to-business-to-consumer): Em português, um business-to-consumer business é usado quando uma empresa realiza negócios com outra empresa para vender aos clientes finais. Nesse caso, a iFood é um bom exemplo de empresa iniciante que coopera com outras empresas (restaurantes) para ajudar a vender produtos aos clientes.

O nicho em que atuam é baseado na área da empresa. Você pode ter encontrado termos como FinTech, HealthTech, EdTech, LawTech, etc. Esses termos são usados para definir empresas iniciantes nos mercados financeiros, saúde e medicina, educação e direito.

Empreendedorismo

O empreendedorismo é uma aventura. Então, nem todos estão dispostos a aderir a isso, é preciso ter espírito empreendedor. Em uma busca rápida na Internet, alguns termos persistiram na definição de empreendedorismo:

• Autonomia: este é um dos principais motivos pelos quais as pessoas deixam o trabalho e se tornam empreendedoras. É sobre a capacidade de ser responsável por suas decisões e independência na definição de seu sucesso.

• Dedicação: Não há espírito empreendedor sem compromisso e determinação. Você conhece a história de apenas 10% de inspiração e 90% de suor?

• Disponibilidade para correr riscos: Não existe situação em que um empreendedor não corra um determinado tipo de risco. Muitas pessoas bem-sucedidas atribuem seu aprendizado e progresso à capacidade de assumir riscos, aprender com seus erros e perseverar em cada momento decisivo.

O problema é: empreender, antes de tudo, significa embarcar em um caminho desconhecido. É autônomo e tem dedicação suficiente para assumir riscos e pagar por isso. Isso dá às pessoas um medo terrível e requer uma reorganização completa de mentalidade, hábitos e costumes. Não pense que nomes como Elon Musk ou Larry Page não se sentem assim quando mergulham no mundo, porque são sensações inerentes à consciência humana. Nesse momento, surge o instinto: todas as pessoas corajosas precisam saber como controlá-lo e superá-lo para superar todos os medos e, por fim, ter sucesso.

Finalmente, o último elemento básico desta definição: valor.

Figura 2: Tecla startup saindo de um foguete.

Por que as startups são importantes?

Como mencionado anteriormente, empreendedorismo é um termo cada vez mais pesquisado e muito popular. Mas isso não é aleatório! Cada vez mais, a inovação muda a vida de milhares de pessoas para sempre. Como sabemos hoje, eles vêm para substituir processos emperrados e mudar completamente o mundo. Essas mudanças já ocorreram e fazem parte da nova economia.

O que é a nova economia e como ela se relaciona com as startups?

A nova economia é o surgimento de novos modelos de negócios disruptivos, que rapidamente tornam as empresas e profissões obsoletas. Isso exige que adotemos uma atitude diferente, pois precisamos ser mais rápidos, mais competitivos, mais conectados e atualizados.

Mas o que isso tem a ver com startups? Nesse caso, as startups são parte fundamental dessa nova forma de pensar e se comportar. São empresas com foco no futuro, e seu principal objetivo é inovar e transformar processos. Mas, além de trazer soluções disruptivas, eles também prometeram desafiar o status quo, derrubar monopólios e ameaçar empresas. Quem não se lembra de gigantes como Kodak e Blockbuster? Eles foram substituídos por empresas que começaram como startups e agora dominam o mercado, como Instagram e Netflix.

Portanto, pode-se dizer com certeza que a nova economia chegou, e nada mais importante do que entrar nesse ecossistema!

Exemplos de empreendedorismo de sucesso

Algumas das maiores empresas do mundo começaram como startups com muito pouco capital e riscos elevados. Eles tropeçaram, erraram, se adaptaram e então voltaram ao topo. Hoje, alguns são considerados unicórnios famosos, não menos do que novas empresas avaliadas em US $ 1 bilhão (ou mais). Não é para todos, é? Conheça as histórias de alguns deles aqui:

Netflix

A Netflix é um exemplo de empreendedorismo de sucesso. Quando foi lançado em 1997, estava no auge de uma locadora de vídeo, e a ideia de entregar o DVD — esse foi o seu começo — parecia louca. Três anos depois, seu fundador tentou vender a startup para a gigante Blockbuster: foi rejeitada. As empresas de leasing não veem o potencial de negócios e estão mais dispostas a manter seu modelo de negócios. Em alguns anos, vai pagar um preço alto, mas essa é uma história que todo mundo já conhece.

Em termos de entrega, a Netflix adotou a tecnologia de ponta e aposta no streaming media. Hoje, a empresa vale bilhões de dólares, é uma referência global e continua a revolucionar o entretenimento televisivo e a ameaçar uma indústria centenária.

Google

O Google também é outro gigante que começou como um modelo empresarial. O tamanho e a onipresença do maior site da Internet são tão incomparáveis que é difícil imaginar que possa ser chamado assim. No entanto, a princípio, o Google não parecia prometer muito. Na época, os motores de busca maiores e mais conhecidos, como Altavista e Yahoo, eram dominantes. O jogo parece ter ganho, mas a empresa não se preocupa, pelo contrário: tem insights que as outras duas empresas não têm.

O Google não apresentou resultados melhores do que os concorrentes, mas seu fundador, Larry Page, sabia que precisava encontrar uma maneira de lucrar, caso contrário, seria um negócio insustentável. Dito isso, depois de muitos anos o Google se tornará uma das maiores empresas do mundo, com um valor de mercado de US $ 1 trilhão.

Paypal

As startups devem trazer modelos de negócios dinâmicos e os empreendedores devem sempre se adaptar. É o caso do PayPal, nos estágios iniciais de sua trajetória de desenvolvimento, a empresa pretende disponibilizar uma carteira digital para aparelhos portáteis. Mas os consumidores estão começando a usar o serviço como uma forma de transferir dinheiro em transações do eBay.

Embora não fosse a ideia original do projeto, eles sabiam se adaptar aos sinais de demanda. Eles mudaram o foco e apostaram nas necessidades do usuário. A transação está progredindo sem problemas e o PayPal agora se tornou a maior empresa de remessas na Internet.

Uber

Outro exemplo conhecido de modelo de negócios inovador é o Uber, que descentraliza os serviços de motorista particular. A startup acabou com as dúvidas de encontrar um táxi (acenando na rua!) Para garantir que em poucos minutos, o carro chegará com apenas um toque no telefone. Além de solucionar esse problema, o serviço também encontrou uma operação lucrativa, escalonável e de baixo custo. Nesse caso, a startup alcançou sucesso global, com uma frota de milhões de motoristas, sem ter que comprar um carro, cobrando apenas uma certa porcentagem do itinerário médio do motorista!

Conclusão

Então, vamos revisar: Startups são um grupo de pessoas empreendedoras, caracterizadas por autonomia, dedicação e risco, em busca de modelos de negócios repetíveis e escaláveis — por meio de produtos de escala quase ilimitada e baixo custo de manutenção. Monetização — geralmente ocorre em cenários cheios de incerteza e problemas que atraem e demandam valor e inovação.

Gostou do artigo? Deixe seu comentário, recomende e compartilhe.

Dr. Adriano Hermida Maia (LinkedIn)

Advogado e sócio do escritório Hermida Maia, Docente, especialista em Crimes Digitais, Pós-Graduado em Processo Civil, Direito do Trabalho e Processo do Trabalho, MBA em Contabilidade & Direito Tributário com ênfase em risco fiscal.

Visite nosso site: https://hermidamaia.adv.br

 

Comentários